1. Tenha calma. Muita calma.
  2. Veja ponto número 1. Você tem tempo. Mesmo que seu filho esteja com 11 anos, você tem tempo. Não faça nada precipitadamente. Vá com calma e paciência. A Bíblia diz,

    “Não é bom proceder sem refletir, e peca quem é precipitado.” — Provérbios 19.2

  3. Separe um tempo para sentar com seu marido ou sua esposa. Faça uma lista de prioridades, com o título: “Por que devemos educar os nossos filhos?”
  4. Faça uma outra lista, com o título: “Por que queremos educar os nossos filhos”.
  5. Crie um ambiente rico em casa: muita música, arte, e muitos bons livros. Para crianças pequenas, brinquedos e objetos para manipular. Procure um lugar – em casa, ou em outro lugar -, onde todos os dias seu pequeno filho possa correr, subir, descer, e se exercitar.
  6. Comece. Comece logo. Como assim? Sim, comece logo. Mesmo que seu filho ainda esteja estudando na escola, nada impede você de começar a transformar o seu lar em um ambiente rico em livros, música, e arte. Leia livros em voz alta, todos os dias. Não é necessário começar com Os Lusíadas. De fato, a não ser que seu filho seja bem diferente, melhor não começar com Os Lusíadas. Comece com livros tais como O Hobbit, ou As Crônicas de Nárnia (para crianças mais velhas).
  7. Decida se você manterá o seu filho na escola por enquanto, ou se vai apenas ensinar em casa. Para você que está muito temeroso, uma opção seria começar em casa enquanto seu filho ainda frequenta a escola. Separe algumas horas por dia para sentar-se com ele, conversar sobre o que ele aprendeu e ajudá-lo com as tarefas de casa.
  8. Invista amor, muito amor, em seu filho. Isto é mais importante que o investimento financeiro. A Educação em Família é, em primeiro lugar, um investimento de amor por seu filho. A coisa mais importante é o tempo que seu filho passa com você. Você é um exemplo para ele. Não há ninguém no mundo mais apto e capaz do que você para amá-lo e educá-lo. Se você tirar o seu filho da escola, o mero fato de ele passar o dia inteiro com você, em família, já terá um efeito indizível em seu comportamento, suas atitudes, e seu rendimento.
  9. Tenha calma. Uma das coisas que mais ouço de pais que educam em casa, é que eles se arrependem por terem ficado tão ansiosos e estressados no início. Não tem problema algum seu filho passar algumas semanas ou meses lendo ou ouvindo bons livros e música, enquanto você estuda as possibilidades e opções de currículo.
  10. Não tente re-criar o ambiente de escola em casa. Não funciona. Você vai ficar estressado, e seu filho também. O sistema “Henry Ford”(produção em massa) de educação em escolas institucionais pode até funcionar em certos casos, mas em geral esse sistema não tem demonstrado ser o mais produtivo e eficiente. Os professores universitários não param de reclamar que alunos, produtos do sistema, mal sabem ler e escrever, ou desenvolver um argumento.
  11. Tire da sua cabeça a ideia de que seu filho tem de estar numa certa série. No sistema “Henry Ford” a criança tem que se adequar à fabrica. Tem que se enquadrar numa série. O sistema simplesmente não tem condições de criar um plano de educação personalizado para cada criança. Na educação em casa, você tem liberdade. Seu filho pode estar estudando matemática da quinta série, mas história da oitava.
  12. Veja todo momento da vida como uma experiência educativa. Peça que um filho confira a nota fiscal quando vocês chegarem em casa depois fazerem as compras. No supermercado, deixe a criança calcular o preço por litro ou quilograma, para ver qual produto sairá mais em conta.
  13. Incentive a curiosidade. Se seu filho fizer uma pergunta, não diga: “Trataremos sobre isso no capítulo 12 do livro, no final do ano”. Aproveite as oportunidades pedagógicas, e deixe seu filho pesquisar e estudar o que é relevante para ele naquele momento.
  14. Embora seja sábio limitar radicalmente o “screen time” (tempo de tela), seja bem generoso com o acesso à Enciclopédia dos nossos tempos: o Google. Um computador com tela grande, num lugar público em casa, onde todo mundo possa ver o que está sendo pesquisado, proporciona para o seu filho uma vasta biblioteca que vai alimentar e estimular sua curiosidade e imaginação.
  15. Leia. Leia muito para o seu filho. Leia também o crescente número de blogs e sites sobre o homeschooling (educação em família) em língua portuguesa.
  16. Tenha calma. Não há uma abordagem, um currículo, que seja o Único Currículo Correto Para Todas As Famílias E Todas As Crianças Em Todos Os Lugares De Todos Os Tempos. Cada família é diferente. Cada situação é diferente. Cada criança é um indivíduo. Um currículo pode funcionar muito bem com um filho, e não funcionar de forma alguma com o outro. Não tem problema. Faça o que é melhor para a criança. Não se torne escravo de nenhum sistema ou nenhum currículo, não importa quanto você tenha pago por ele.
  17. Não tema. Não importa qual currículo você escolha (ou mesmo se você escolher não usar currículo algum!), seu filho, criado e educado em um ambiente rico em amor, paciência, livros, artes, música e amor pelo conhecimento, vai natural e automaticamente se sair muito melhor do que a maioria dos produtos do sistema “linha de montagem” de educação.
  18. Siga o seu caminho. Educar seu filho de acordo com sua fé, sua filosofia de vida, sua cosmovisão é um direito humano.
  19. Tenha confiança. Qualquer criança educada num ambiente de amor, com acesso a muito material para estimular sua inteligência e curiosidade, e guiado pela sabedoria e conhecimento dos seus pais, será um cidadão produtivo em nossa sociedade.
  20. Tenha certeza de que não é necessário vender sua alma ao sistema, ou dobrar o joelho diante dele, para assegurar um futuro para o seu filho. Um filho bem educado em família não ficará para trás. Poderá fazer o Enem e entrar logo na faculdade ou, no caso de famílias que escolheram um currículo bem diferente do currículo padrão, o aluno poderá facilmente passar um ano no pré-vestibular. Se ele sabe ler, interpretar textos, avaliar argumentos, raciocinar, e se expressar, não terá a mínima dificuldade na hora da re-integração no “Sistema”.