“Qual é a diferença entre o Método de Charlotte Mason e o currículo tradicional que eu tenho usado?”

É uma ótima pergunta.

Nesta série, estamos discutindo como Charlotte Mason difere de quatro outros métodos de homeschooling. Primeiramente, vamos falar sobre o método tradicional.

Apenas para ter certeza de que estamos todos na mesma página, vamos definir o que queremos dizer por tradicional. Um currículo tradicional usa, em sua maior parte, livros didáticos e livros de exercícios para abordar os fatos. E, geralmente, usa perguntas diretas para avaliar a retenção desses fatos. As perguntas diretas são geralmente de preencher o espaço embranco, verdadeiro-ou-falso, múltipla escolha, ou resposta curta.

Se você quiser saber simplesmente como os métodos diferem entre si, o método de Charlotte Mason usa livros vivos em vez de livros didáticos e narração em vez de perguntas diretas.

 

Por que Charlotte Mason usava livros vivos e narração?

 

Vamos olhar um pouco mais profundamente. Quando começamos esta série, mencionamos três questões-chave que podem nos ajudar a determinar as diferenças entre as filosofias educacionais. Então vamos dar um minuto para perguntar por que Charlotte Mason usava livros vivos e narração em vez de livros didáticos e perguntas diretas. A resposta está em como ela definia a educação.

 

  • Livros vivos em vez de livros didáticos

Charlotte acreditava que a educação é “uma vida” – que devemos nutrir a mente da criança com ideias, não apenas com fatos secos ou meras informações. Portanto, ela usava livros que tocavam a imaginação e as emoções, que tornavam o assunto vivo para o aluno.

“Eles vão se arrastar obedientemente sobre qualquer das centenas de volumes (secos como poeira) publicados sob o título de ‘Livros escolares’ ou de ‘Educação’, e vão guardar todos esses livros no pátio exterior, sem permitir que qualquer deles tenha acesso a suas mentes. Um livro pode ser longo ou curto, velho ou novo, fácil ou difícil, escrito por um grande homem ou um homem comum, e ainda ser um livro vivo que encontra caminho para a mente de um jovem leitor” (Vol. 3, p 228).

 

  • Narração em vez de perguntas diretas

Charlotte também definiu a educação como “a ciência das relações”. Ela queria que as crianças formassem relações com Deus, com a humanidade e com o universo ao seu redor. Ao pedir às crianças que recontassem em suas próprias palavras, e com suas próprias opiniões e personalidade envolvidas (narração), estava convidando-as a compartilhar as relações que haviam formado. E formar relações pessoais é um conceito completamente diferente de lembrar informações que alguém afirmou serem necessárias.

“Não se pode dizer o suficiente que informação não é educação. Você pode responder a uma pergunta de prova sobre a posição das Seychelles e das Ilhas Comores sem ter sido nem um pouco nutrido pelo fato desses grupos insulares existirem em tais e tais latitudes e longitudes; mas se você seguir Bullen em O Cruzeiro do Cachelot, os nomes animarão aquela pequena mente agitada, o que indicará a recepção de conhecimento real” (Vol. 3, p.169).

Bem, nós esperamos que esta breve comparação tenha te ajudado enquanto considera que métodos homeschooling funcionam melhor para sua família. Sinta-se livre para deixar comentários ou perguntas e tentaremos respondê-las enquanto continuamos esta série durante as próximas semanas.

 

Reproduzido e traduzido com a permissão de Simply Charlotte Mason.

Traduzido por Arielle Pedrosa